O sensor de coronavírus

Raquel Fanci Por Raquel Fanci
<span class="hidden">–</span>Thermo Fisher Scientific/Divulgação

O aparelho foi desenvolvido pela empresa americana ThermoFisher Scientific, que fabrica insumos de laboratório e equipamentos para testes diagnósticos (inclusive de coronavírus). Ele custa US$ 4.995, tem mais ou menos o tamanho de uma impressora, e foi projetado para monitorar o ar de empresas. O AerosolSense puxa e conduz o ar através de um cartucho, que custa US$ 45 e retém fragmentos do Sars-CoV-2, caso ele esteja presente naquele ambiente.

O cartucho deve ficar na máquina por no mínimo duas horas, mas também pode ser usado durante um dia de trabalho inteiro. Depois deve ser retirado – isso pode ser feito por qualquer pessoa e não apresenta riscos, pois o substrato (peça que retém fragmentos do vírus) fica encapsulado dentro de um tubo. Em seguida, o filtro deve ser colocado numa sacola especial, hermeticamente fechada, e enviado para um laboratório – que então fará o teste para verificar a presença do vírus.

Essa análise, que leva em média duas horas, pode ser feita em qualquer laboratório capaz de realizar testes do tipo PCR (ou, para quem está nos Estados Unidos, pela própria ThermoFisher). Se der positivo, o ambiente está contaminado, e o escritório deve ser fechado e desinfectado. A máquina cobre uma área de aproximadamente 200 m2 – pode ser necessário instalar mais de uma para cobrir todo o escritório.

Compartilhe esse Artigo